O PAPEL IMPORTANTE DO PAI NO DESENVOLVIMENTO DE SEUS FILHOS


Por Alessandro / 12 de agosto de 2018

As relações entre pais e filhos, não importa a cultura ou a fase da vida, têm impactos que podem durar por toda a vida. A figura paterna pode ser representada pelos pais biológicos, padrastos, pais adotivos ou representantes legais e podem ser irmãos, tios, ou avôs. Estes pais podem ter relacionamentos com pessoas do mesmo sexo ou com pessoas do sexo oposto. Não importa se a paternidade é biológica ou não, a figura masculina é importante para o desenvolvimento de uma criança.

Atuante, participativo, e sobretudo, mais disponível. Este é um modelo de pai em ascensão. Hoje em dia, os pais estão compartilhando vários aspectos da vida de suas crianças. Mas muitos ainda não estão assumindo sua paternidade, por não desejarem ou por acreditarem que não são capazes.

É normal que nos primeiros meses de vida do bebê, enquanto ele ainda está sendo amamentado e durante o período de licença-maternidade, a mãe dedique mais tempo ao filho. Mas, depois deste período, o pai também deve estar presente em tudo. Na consulta com o pediatra, nas reuniões escolares ou em emergências que exigem que os pais saiam do trabalho, a presença de ambos é essencial.

Everton Teixeira conta com orgulho sobre sua experiência na paternidade. “Sempre quis ser pai, então eu sabia que quando meu filho nascesse, eu iria querer estar presente em todos os momentos. Sempre dividi as obrigações com minha companheira, troquei fralda, dava comida, banho, levava para passear. Isso foi criando uma ligação muito forte entre nós dois, de parceria, confiança. Minha filha hoje tem 6 anos e sabe que pode contar comigo sempre”.

O papel do pai é tão importante, que a interação entre pai e filho é um dos fatores decisivos para o desenvolvimento cognitivo e social. A criança que tem contato frequente com o pai tem maior facilidade de aprendizagem e melhor integração na comunidade. O pai também é importante para que a criança se torne mais independente da mãe, à medida que cresce. Ela começa a entender que tem que dividir a atenção dela com o pai, sem que isso represente um ameaça.

Pesquisas já indicam que as crianças que são cuidadas pelos pais possuem a autoestima mais alta e menores riscos de desenvolver problemas psicológicos ao longo da vida. Muitos pesquisadores sugerem que um pai cuidadoso é tão importante quanto uma mãe amável para o bem-estar da criança. Mas o senso comum diz que homens não “levam jeito” com criança e impede que os pais desenvolvam uma relação próxima com os filhos.

A psicóloga Isabela Telles acredita que os estigmas sociais estão mudando, e que é preciso valorizar ainda mais a participação ativa do pai no dia a dia do seu filho. “Nós falamos tanto de maternidade, que às vezes esquecemos de que os pais são tão importantes quanto as mães para o desenvolvimento saudável e equilibrado de uma criança. O papel do pai na sociedade tem se transformado muito e a maneira como os homens encaram a sua paternidade já mudou muito e continua mudando. Antes, os filhos eram considerados como propriedade do pai, que exercia maior autoridade do que a mãe. Eles também sempre foram o suporte financeiro da maioria das famílias, até as mulheres começarem a conquistar o mercado de trabalho, mas isso está mudando com o tempo”.

Para um desenvolvimento emocional positivo e seguro dos filhos, que os auxilie a lidar bem com as diversas situações da vida, é importante crescer em um lar no qual pai e mãe estejam presentes e ofereçam apoio incondicional, conforto e proteção.

“A autoridade do pai deve ser utilizada para dar orientações seguras e gerar confiança e independência.A interação dos pais obedece a uma linguagem diferente daquela imposta pelas mães. Isso, para os pequenos, é uma maneira de estimular a convivência com contrastes. Também é importante destacar as diferenças no modo de brincar de homens e de mulheres para estimular os pequenos”, finaliza a psicóloga.

Está comprovado, é necessário que a figura paterna não esteja apenas fisicamente presente, mas que contribua para a educação e a formação da criança, e não seja indiferente ao desenvolvimento deles. Ser um pai participativo é o melhor que o homem pode oferecer ao seu filho.