MORRE MATOS; O ETERNO FASCINADO PELO FAROESTE


Por João Melo / 20 de dezembro de 2018

ESTÁ SENDO velado na Capelinha do Hospital São Vicente e vai ser sepultado às 17 horas no Cemitério da Saudade, Manoel Olavo de Matos. Faleceu aos 71 anos, em decorrência de uma parada cardíaca. Há algum tempo ele vinha travando batalha titânica contra o câncer. Casado com a professora Maria José Soares de Matos – Zeza – residia na Rua Sinhazinha Santos e deixou uma legião de amigos, muitos dos quais compareceram ao local do velório, nesta quinta-feira, para prestar-lhe a derradeira homenagem.


Foi representante comercial da QBoa, Brilux, dentre outras, cantor de bandas regionais, tocava diversos instrumentos, trabalhou durante muitos anos na Lira de Oliveira. Chegou a apresentar programas de rádio e alimentava o desejo de ver o Jornal A Semana e o site CONQUISTANEWS criar um programa radiofônico.
Era pai da Juíza Janine Soares de Matos Ferraz que falou ao site conquistanews. “Meu pai foi minha grande força. Dono de uma personalidade muito forte, era obstinado, pensava grande e tudo que realizei de importante e difícil, foi com incentivo dele, que sempre me impulsionou a acreditar que eu sempre poderia ser o que eu quisesse”. O casal teve outras três filhas, que faleceram precocemente.

Exerceu fascínio por cinema e colecionou filmes de faroeste em DVD. Andava quilômetros atrás de um bom filme de cowboy. Era amante também de filmes de guerra que tinham aviões em cena. Disse que desde menino, seu sonho era ser piloto de avião. Os últimos anos de sua vida passou percorrendo o mundo. Conheceu a Europa inteira, principalmente Paris, que era seu sonho de criança. O Brasil, ele conhecia como a palma de sua mão.
De humildade singular, fez muita amizade entre as pessoas simples. Visitava com freqüência pipoqueiros, ambulantes, relojoeiros, vendedores de doces, engraxates, garis, com quem construía sólida amizade e não abria mão de um papo com a gente humilde do dia a dia.
Deixou um legado de honestidade. Estava preparado para a morte. Sabia que os dias estavam acabando e na semana passada, despediu-se de muitos amigos. Recentemente, já acometido pelo câncer, Matos contratou um pedreiro amigo para montar a própria sepultura no Cemitério da Saudade. O pedreiro, entre lágrimas, recusou a empreitada. Por ironia do destino, ele faleceu primeiro e Matos ficou muito abatido, alegando que o amigo havia furado a fila.

A propósito, o título desta matéria é de autoria do nosso dileto e saudoso leitor. Há poucos dias, ele pediu que, noticiasse sua morte como está escrito: MORRE MATOS; O ETERNO FASCINADO PELO FAROESTE. Descanse em paz, irmã. Vá com DEUS.