Mensagem no celular já é o 2º maior motivo de divórcio


Por João Melo / 22 de fevereiro de 2019

A tecnologia dos celulares tem facilitado muito o dia a dia, e também a traição. É o que afirmam advogados especialistas. Segundo eles, a traição descoberta por mensagens em aplicativos de celular já é o segundo maior motivo de divórcio, perdendo apenas para problemas financeiros.

Segundo o jornalista Léo Dias, do programa Fofocalizando, do SBT, mensagens de texto para a atriz Marina Ruy Barbosa teriam sido o motivo da separação do casal de também atores José Loreto e Débora Nascimento.

Para a advogada Larissa Guasti Grassi, os aplicativos de mensagens têm ajudado a aumentar os casos de traição. (Foto: Dayana Souza/AT)

Para a advogada Larissa Guasti Grassi, os aplicativos de mensagens têm ajudado a aumentar os casos de traição. (Foto: Dayana Souza/AT)

Segundo a advogada Larissa Guasti Grassi Rocom, a infidelidade hoje está muito ligada à tecnologia. “Desde sempre, a traição é um dos maiores motivos para o divórcio. Mas, agora, estamos vendo que a rede social tem ajudado muito nisso, principalmente os aplicativos de mensagens, como o WhatsApp”.

Ela ressalta que, antigamente, a traição acontecia com pessoas mais próximas, como amigos de trabalho, por exemplo. “Com a tecnologia, esse leque é muito maior”, completa.
Já a advogada Anne Lacerda de Brito disse que já atendeu vários casos em que as mensagens no celular e nos aplicativos de rede social foram o estopim para a descoberta da traição e para o fim do relacionamento.

“Em um caso, a cliente descobriu a traição porque o marido deixou o aplicativo de mensagem aberto no computador enquanto conversava com a amante pelo celular. Ela acompanhou toda a conversa e descobriu a traição”.

Para o advogado Flávio Fabiano, quando as pessoas cometem a traição virtual, por meio de mensagens, elas quebram umas das obrigações assumidas quando do início da união: a fidelidade.
“Com o controle que as redes sociais têm exercido sobre as pessoas, cria-se também as traições de maneira virtual. Acarretando, então, o aumento dos casos de divórcios e dissoluções de uniões estáveis”.

Segundo a advogada Carolina Brunoro, as pessoas são mais expostas e disponíveis nas redes sociais. “Elas mostram muito mais da vida e, assim, outras pessoas têm interesse e vão atrás e, algumas vezes, são correspondidas por essas pessoas, mesmo comprometidas. A maioria das traições vem da facilidade que a rede social traz”.

O que eles dizem

“A influência das mensagens de aplicativos de celular é grande nas traições hoje. Mas acabam sendo ferramentas importantes que geram provas para quem foi traído”.

Anne Lacerda de Brito, advogada de Família.

“Pessoas casadas têm cometido infidelidade virtual e, em alguns casos, chegando até ao contato físico, o que quebra uma das obrigações assumidas no início da  união: a fidelidade”.

Flávio Fabiano, advogado.

Alguns casos

Notificações

Um empresário de Vila Velha descobriu que estava sendo traído depois que viu a conversa de sua mulher com um homem desconhecido nas mensagens reservadas do Facebook.

O homem disse que ela deixou o celular perto enquanto fazia outras coisas e notificações da conversa começaram a chegar.

Conversa “ao vivo”

Uma mulher procurou uma advogada para o divórcio depois que ela descobriu, pelo WhatsApp, que o marido estava tendo um caso com outra mulher. Ela contou para o advogado que descobriu porque o marido deixou o programa ligado e aberto no computador. Enquanto ele conversava com a amante pelo telefone, a mulher acompanhava toda a conversa no computador. O marido não teve como negar.

Telefone trocado

A mulher e o marido tinham o mesmo modelo de celular e um dia, sem perceber, ele saiu com o telefone dela. Assim que chegou ao trabalho, percebeu o mal-entendido, e viu que a mulher tinha recebido várias mensagens com conteúdo picante de um contato feminino. Quando olhou a foto do perfil, viu que era um homem.

Fotos em redes sociais

Uma mulher idosa começou a desconfiar da traição do marido, um empresário também idoso, depois que ele começou a viajar muito para o Rio de Janeiro, colocar senha no celular e receber muitas notificações de mensagens e fotos. Ela teve certeza quando o filho do casal viu uma foto de um hotel carioca em que o pai aparecia sorridente e em cenas românticas com outra mulher. A mulher pediu danos morais na Justiça.

Encontro em motel

Desconfiada da traição, uma mulher, moradora de Vitória conectou o aplicativo de conversa do celular do marido ao computador e ficou vigiando as mensagens. Sem saber, ele marcou de se encontrar com a amante no motel. A mulher resolveu fazer um flagrante e alugou um quarto ao lado do que o marido tinha reservado.

Infiel pode ter de pagar indenização por danos morais

Quando a traição é vexatória e traz humilhação, a pessoa traída pode entrar na Justiça contra o infiel cobrando danos morais. É o que explicam os advogados especialistas no assunto.

A advogada Anne Lacerda de Brito explica que o cônjuge traído pode entrar com um processo, mas que os juízes só costumam dar ganho de causa quando a traição traz danos ou humilhação a quem foi traído.

“Hoje, a maioria dos juízes entendem que não existe mais culpa no divórcio. Então, sequer é algo que precisa ser levado ao processo. Só quando há situações bem graves, como noivas traídas às vésperas de casamento, uma traição pública, que cause grande vexame, entre outras”.

Outra situação que, segundo Anne Lacerda, pode ser motivo para processo de danos morais é quando há provas de fuga do patrimônio para o amante.

“Neste tipo de caso, mostra uma ocultação, que é relevante realmente para discussão de partilha. Mas, o ‘simples’ fato de trair não é motivo para um processo de danos morais”, explicou ainda a advogada.

Provas

O advogado Flávio Fabiano ressalta que, para entrar com um processo de danos morais contra o infiel, o cônjuge traído tem de reunir provas com o objetivo de mostrar a humilhação, a exposição e, até mesmo, o dano psicológico.

“Mas, isso demanda produção de provas documentais, como fotos, trocas de conversas abertas, as chamadas postagens e comentários; e até mesmo testemunhal, de pessoas que viram todas as publicações de intimidades, como fotos do cônjuge infiel, mensagens de texto e declarações em favor de terceiros”, detalhou Flávio Fabiano.