CUT negocia venda da sede para igreja do pastor Valdemiro por R$ 40 milhões


Por João Melo / 5 de julho de 2018

Em crise financeira, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) está negociando a venda de sua sede, no Brás, região central de São Paulo, para a Igreja Mundial do Poder de Deus, liderada pelo pastor Valdemiro Santiago. A Folha apurou que a oferta é de R$ 40 milhões, sendo metade à vista e o restante em quatro parcelas. A CUT não quis se manifestar sobre a negociação nem confirmar esses valores.

A Igreja Mundial do Poder de Deus funciona na mesma rua da CUT e já comprou propriedades ao redor da central, mantendo até mesmo dois restaurantes na região.

O prédio da CUT tem instalações modernas, como cabeamento de rede e sistema de refrigeração. Essa é a segunda vez que a agremiação religiosa propõe a compra do edifício de sete andares com o intuito de instalar nele sua sede administrativa.

Há dois anos, a CUT recusou a proposta. Mas o fim do imposto sindical obrigatório, associado ao alto índice de desemprego, derrubou a receita da entidade. Procurada novamente, a central reabriu as negociações.

Celebrado o negócio, a CUT deverá ser transferida para o edifício que abriga o Sindicato dos Bancários, no centro histórico de São Paulo.

Com a crise, os sindicatos deixaram de repassar recursos —sendo 10% de sua receita— para a central. Só em São Paulo, hoje 70% dos sindicatos estariam inadimplentes.

No ano passado, a CUT Nacional fez um programa de demissão voluntária (PDV) para reduzir o quadro de funcionários. Agora é a vez da CUT Estadual —braço da Nacional— cortar gastos com pessoal.

O programa em elaboração inclui não apenas o desligamento de aposentados e funcionários, mas a contratação de pessoas jurídicas, a chamada pejotização.

A folha de pagamento da sede CUT/SP consumiu R$ 171 mil em março de 2018. Somado ao gasto de 19 subsedes —que é de cerca de R$ 138 mil— o custo com pessoal ultrapassou R$ 300 mil naquele mês. A Folha apurou que 15 das 19 subsedes têm saldo mensal negativo.

A subsede de Ribeirão Preto arrecadou, por exemplo, cerca de R$ 400 em março, mas gastou R$ 10,1 mil com folha de pagamento. A de Presidente Prudente tem receita de cerca de R$ 3 mil e gasto de R$ 10 milhões.