CAMPO PELUDO ASSUSTA MORADORES DA URBIS 5


Por João Melo / 22 de dezembro de 2018

ENQUANTO BATIAM bola no campo do Juruna, na Urbis 5, alguns jogadores faziam apreciações à situação em que se encontra a praça esportiva, arruinada pelo mato que norteia toda a área. E durante longos minutos, o estado de ruínas em que encontra a área de lazer, dominou as conversas. Houve apelidos infames, porém dois deles ficaram até engraçados: Campo Cabeludo e/ou Campo Playboy.

Olhando as fotos minuciosamente, o leitor perceberá que faz sentido os apelidos. A praça de esportes fica as margens da Avenida Brumado, defronte a pirâmide de Glauber Rocha. Surgiu a perturbadora idéia de moradores, de tacar fogo no capim. Só em pensar na cena, já se vê um absurdo. É muito doloroso as pessoas que moram nas proximidades saberem que o mato alto serve de covil para ladrões e assassinos.

A revolta se dissemina por vários segmentos da sociedade. Estudantes, freqüentadores de igrejas, trabalhadores noturnos e outras pessoas que são empurradas para uma zona perigosas e escura. Célia Nascimento, 39 anos, foi assaltada na noite de sexta-feira quando cruzava o campo peludo. E aí, como vai ficar a situação? Com a palavra, o pessoal da administração municipal.