BOLSONARO É UMA PESSOA ‘DESTRAMBELHADA’


Por João Melo / 1 de março de 2019

Quatro meses depois das eleições, Fernando Haddad (PT), que perdeu a disputa para Jair Bolsonaro (PSL), tem dividido o seu tempo entre as aulas no Insper (Instituto de Ensino e Pesquisa) e a atuação política discreta. Diz que os problemas do governo o levaram a intensificar as postagens nas redes sociais. No fim de março, pretende fazer um novo giro pelo país. O petista descarta disputar a prefeitura de São Paulo no ano que vem. Sobre a anunciada intenção do governo de fazer uma “lava-jato” da educação, ele, que foi ministro da pasta, diz: “Em se tratando do Bolsonaro tudo é possível. É uma pessoa destrambelhada”.

Como o senhor recebeu a decisão do Tribunal de Justiça de inocentá-lo na ação que era acusado dinheiro de uma empreiteira?

Nós aguardávamos essa decisão. O Conselho Nacional do Ministério Público já tinha aberto um procedimento para investigar a conduta do promotor. Imaginávamos que essa ação pudesse declarada inepta.

O senhor tem criticado nas redes sociais as medidas tomadas pelo ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodrigues.

Ele não é uma pessoa da área, uma pessoa sem reconhecimento nenhum. Acho que essas trapalhadas se devem a isso. A entrevista agredindo os brasileiros (“o brasileiro viajando é um caníbal”, disse Vélez) e agora esse email pedindo para ser lida uma carta para os estudantes com o slogan do Bolsonaro são tão fora da realidade… Só se explica pela completa falta de familiaridade com a filosofia da educação, com os conceitos básicos. Todos os ministérios estão com dificuldade, mas eu diria que o da Educação é o que inspira mais preocupação. Há uma apreensão muito grande da comunidade de educadores e na sociedade civil organizada.

Essa lava jato da Educação que o presidente Bolsonaro anunciou visa atingir quem?

Não posso afirmar. Não tenho ideia do que seja. Os órgãos de controle na administração pública foram muito fortalecidos na época do presidente Lula, sobretudo a Controladoria Geral da União (CGU). Agora sempre é bom passar os programas em revista porque são programas muito grandes, com uma escala inédita. Era tudo muito grande na era Lula. Você vai poder calibrar, aperfeiçoar os controles. Se há indício de má conduta, eu não saberia dizer.

Mas o senhor, que foi ministro da Educação, não teme que ocorra um uso político dessa iniciativa para lhe atingir?

Em se tratando do Bolsonaro tudo é possível. É uma pessoa destrambelhada.

Alguns analistas avaliam que o senhor se afastou da política depois do segundo turno. Como vê essas opiniões?

Eu tenho uma carreira, uma profissão, nunca omiti isso. Sempre deixei claro que continuaria sendo professor em qualquer hipótese. E foi o que eu fiz ao sair da prefeitura, fui dar aula. Quando convocado, eu compareci tanto para coordenar a formulação do plano de governo como para assumir a chapa quando o Lula foi impedido. Em dezembro e janeiro, eu circulei fora do Brasil para ter uma percepção in loco, para saber o que estava acontecendo com a ascensão da extrema direita. Agora, comecei a rodar o país. Já fui a Fortaleza e no final de março devo fazer um novo giro. Estou participando do debate público. Pelas redes sociais, eu me manifesto praticamente sobre todos os temas.

O senhor não era tão ativo nas redes.

Na verdade, me senti obrigado pelas circunstâncias. É um governo que começa muito mal, ao contrário de outros que tem folego de três a seis meses. Esse governo começa muito mal em todas áreas. Então, dava para esperar cem dias.

O Lula sugeriu que o senhor seja candidato a prefeito de São Paulo no ano que vem?

O que o Lula falou para mim numa conversa na nossa última reunião antes da minha procuração de advogado ser cassada pela juíza, foi: acho que nós temos dois nomes para prefeitura de São Paulo, o seu e o do Aloizio Mercadante. Isso é real. O resto é fantasia.

Mas o senhor quer?

Minha resposta foi: que bom que nós temos dois nomes. Porque eu passei por três eleições praticamente seguidas. O Aloizio é um grande nome. Eu não tenho essa intenção.

Muita gente fala no nome da sua mulher, Ana Estela, para ser candidata à prefeitura.

Para mim, é novidade. Nunca ninguém falou comigo diretamente sobre esse assunto. E acho que nem com ela, para ser bem honesto.

Mas o senhor acha que isso é viável?

Isso é com ela. Ela tem a vida dela. A Estela é uma pessoa muito independente, é bom que se frise.

O senhor acha que a Gleisi Hoffman deve continuar como presidente do PT ou o partido deve discutir um presidente com outro perfil?

A Gleisi tem todas as condições de seguir liderando o PT, mas é sempre bom colocar o projeto antes do nome. Acho que o PT tem que fazer antes uma discussão sobre o posicionamento do partido em relação à conjuntura. A partir dessa discussão que você escala o time, que deve evidentemente contar com a participação dela.